Brasil e Noruega debatem desafios no mercado marítimo

180320-statoil-maersk-peregrino-plataforma

As novas oportunidades na indústria marítima brasileira, as perspectivas de investimentos no setor de oil&gas e as mudanças recentes no cenário nacional estão entre os temas em debate durante a 3ª edição do Brazil@NorShipping. O seminário acontece dentro da programação da feira Nor-Shipping  nos dias 5 e 6 de junho, em Oslo, na Noruega. O Brasil é o único país a ter uma agenda exclusiva na Feira.

“O país está em um novo cenário. A retomada dos leilões, as mudanças regulatórias, a aprovação do Repetro e as perspectivas de redução da burocracia são alguns dos fatores que contribuem para o otimismo.  A agenda offshore do país está muito boa e o objetivo do seminário é fazer com que o interesse pelo Brasil seja reaquecido” afirma Ricardo César Fernandes, diretor-executivo da  Associação Brasileira dos Armadores Noruegueses .  Na opinião dele, o movimento é de retomada dos negócios e intenção é apresentar as oportunidades . “Brasil e Noruega tem parceria muito importante e de longa data.  Estamos vendo com muito otimismo a realização do evento. É uma chance de mostrar o potencial de investimentos e ajudar a traze não só recursos mas também empregos de qualidade para o país.

O evento não estará pautado somente no ambiente de negócios.  Novas tecnologias para combustíveis, design e automação, digitalização, soluções sustentáveis para embarcações e marco regulatório também estarão em foco nas palestras.

Entre os participantes do seminário Brazil@NorShipping estão o diretor-geral da ANP, Decio Odonne, o presidente do BNDES, Joaquim Levy, Lucas Tristão, Secretário de Desenvolvimento Econômico, Geração de Emprego e Renda do Rio de Janeiro e a Sub-secretária de petróleo da mesma pasta, Cristina Pinho, gerente executivo da  Petrobras, Claudio Araujo,  diretor de Portos e Costas, Vice-alte. Roberto Gondim e o presidente do Tribunal Marítimo, Vice-alte. Wilson de Lima Filho, além de representante da petroleira Equinor, do banco DNB e de empresas de apoio marítimo norueguesas.

Da Redação